EMPRESA AFILIADA

Fonte: Reuters

Segundo a Chanel o impacto negativo do coronavírus irá afetar o desempenho das suas vendas nos próximos 18 meses.

A Chanel já está com 85% das suas boutiques abertas e com um crescimento de 13% nas vendas em comparação a 2019. As vendas na China estão indo muito bem e a Chanel reajustou seus produtos em 20% para compensar as perdas com a pandemia.

Mesmo com o bom desempenho das vendas na China, ou seja, resultados acima da média se comparado aos números de 2019, o resultado global irá sofrer com a queda nas vendas em Paris, Milão e Berlin, com a queda nas vendas do duty free, queda nas vendas para os turistas, tudo isso terá um reflexo negativo no resultado das vendas de 2020.

A Chanel ainda espera ter uma margem de lucro mesmo que pequena em 2020, para isso está reduzindo em um quarto sua publicidade e comunicação, cancelou eventos e os desfiles de moda deste ano serão transmitindo pela internet. Os irmãos Alain e Gerard Wertheimer, proprietários da Chanel, renunciaram aos dividendos de 2020.

As vendas pelo e-commerce aumentaram 60% em relação a 2019. Em 2019 as receitas com vendas foram US $ 12,3 bilhões, com um aumento de 16,6% do lucro operacional em relação a 2019.